sexta-feira, 29 de junho de 2012

Alinhamento planetário chama a atenção e dá show no céu do Brasil




Quem acorda bem cedo (ou vai dormir bem tarde) já reparou em uma bela cena celeste. Ali, próximo ao quadrante leste, três objetos muito brilhantes estão praticamente alinhados no firmamento. A beleza e o brilho são tão grandes que é impossível não parar, ver e admirar a bela conjunção!
 Os três objetos não são incomuns e mesmo quem não é muito ligado em astronomia já os conhece de longa data. A diferença dessa vez é que a natureza conspirou e colocou todos eles juntos para formar um alinhamento celeste visual.
Na cena matutina registrada na foto acima, o gigante gasoso Júpiter é o ponto brilhante visto à esquerda. Na outra ponta, do lado direito, a estrela Aldebarã participa do encontro enquanto Vênus, altamente brilhante, parece roubar a cena.
Apesar de parecerem próximos entre si, as distâncias dos objetos com relação à Terra não são nada pequenas. Dos três, Vênus é o mais próximo de nós e no momento da cena se localizava quase na esquina, a 54 milhões de quilômetros da Terra. Bem mais distante, Júpiter se encontra atualmente a 865 milhões de quilômetros.


Aldebarã é a estrela mais brilhante da constelação de Touro e é o objeto mais distante. Medições feitas pelo satélite Hipparcos indicam que a estrela se localiza a 65 anos-luz da Terra, cerca de 5.8 quatrilhões de quilômetros. Seu brilho é aproximadamente 150 vezes mais intenso que nosso Sol, tão forte que na Grécia antiga já era conhecida como "tocha".
Se você ainda não viu o alinhamento estelar, não se preocupe. O evento ainda estará no céu pelos próximos dias e com uma vantagem. No dia 9 de julho a estrela Aldebarã ficará praticamente colada em Vênus, tornando o espetáculo ainda mais bonito.
Bons céus! 

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Dawkins é um bom apito...


TEXTO ENVIADO PELO NOSSO COLEGA IURI AZEREDO. VALE A PENA A REFLEXÃO.

Segue umas anotações que fiz do livro do geneticista Richard Dawkins, professor britânico na Universidade de Oxford, autor de inúmeras obras, onde se inclui “The God delusion”, afamado no Brasil pelo título “Deus, uma ilusão”.

Independente de descrenças ou crenças, sempre é interessante escutar pessoas que nos fazem pensar. No “mundo ufológico” (“Ufo World”... assim como Disney World...), acho bom puxar o apito do trem, alertando os incautos ou bêbados (ou até os potenciais suicidas) para os cuidado nos cruzamentos ferroviários...

Dawkins é um bom apito...



- Vejo o esforço humano para entender o universo como um empreendimento de modelismo. Cada um de nós constrói, dentro de nossa cabeça, um modelo do mundo em que vivemos. O modelo mínimo do mundo é o modelo de que nossos ancestrais precisavam para sobreviver  nele. O software da simulação foi construído e aperfeiçoado pela seleção natural, e funciona melhor no mundo que nossos ancestrais da savana africana conheciam: um mundo tridimensional de objetos materiais de dimensões médias, movendo-se em velocidades médias proporcionalmente entre si. Num bônus inesperado, nosso cérebro revelou-se poderoso o suficiente para acomodar um modelo de mundo muito mais rico que o mundo medíocre e utilitarista de que nossos ancestrais precisavam para sobreviver. A arte e a ciência são manifestações desse bônus. p.458

- O que vemos do mundo real não é o mundo real intocado, mas um 'modelo' do mundo real, regulado e ajustado por dados sensoriais – um modelo que é construído para que seja útil para lidar com o mundo real. A natureza desse modelo depende do tipo que somos. Um animal que voa precisa de um modelo de mundo diferente do de um animal que anda, que escala ou que nada. p.471


- [Sam Harris em The end of faith diz que] O perigo da fé religiosa é que ela permite a seres humanos normais colher os frutos da loucura e considerá-los 'sagrados'. Como cada nova geração de crianças aprende que as proposições religiosas não precisam ser justificadas, como todas as outras precisam, a civilização ainda está sitiada pelos exércitos dos irracionais. Estamos, agora mesmo, nos matando por causa de literatura da Antiguidade. Quem imaginaria que uma coisa tão tragicamente absurda seria possível? p.358-359


- [Gore Vidal diz que] O grande e indizível mal no cerne de nossa cultura é o monoteísmo. A partir de um texto bárbaro da Idade do Bronze, conhecido como Antigo Testamento, evoluíram três religiões anti-humanas – o judaísmo, o cristianismo e o islã. São religiões de deus-no-céu. São, literalmente, patriarcais – Deus é o Pai Onipotente –, daí o desprezo às mulheres por 2 mil anos nos países afligidos pelo deus-no-céu e seus enviados masculinos terrestres. [...] A mais antiga das três religiões abraâmicas [ou seja, fundadas pelo patriarca bíblico Abraão], e a clara ancestral das outras duas, é o judaísmo: originalmente um culto tribal a um Deus único e desagradável, que tinha uma obsessão mórbida por restrições sexuais, pelo cheiro de carne queimada, por sua superioridade em relação aos deuses rivais e pelo exclusivismo de sua tribo desértica escolhida. Durante a ocupação romana da Palestina, o cristianismo foi fundado por Paulo de Tarso como uma seita do judaísmo menos intrasigentemente monoteísta e menos exclusivista, que olhou além dos judeus e para o resto do mundo. Vários séculos depois, Maomé e seus seguidores retomaram o monoteísmo inflexível do original judaico, mas não seu exclusivismo, e fundaram o islamismo a partir de um novo livro sagrado, o Corão, ou Qur'an, acresscentando uma forte ideologia de conquista militar à dimensão da fé. O cristianimso também foi disseminado pela espada, primeiro nas mãos romanas, quando o imperador Constantino o elevou de culto excêntrico a religião oficial, depois nas dos cruzados e depois nas dos conquistadores e outros invasores e colonizadores europeus, com acompanhamento missionário. p.63-64


- Os fundamentalistas sabem que estão certos porque leram a verdade num livro sagrado e sabem, desde o começo, que nada os afastará da crença. A verdade do livro sagrado é um axioma, não o produto final de um processo de raciocínio. O livro é a verdade e, se as provas parecem contradizê-lo são as provas que devem ser rejeitadas, não o livro. p.362